O Bem só nos invade se deixamos a porta aberta a ele! Pense no Bem e Viva no Bem: Seja Feliz!

dancacontradepressaofotodestaque.jpg

Uma grande parte da psicologia da dança se dedica a encontrar benefícios da dança para diversas populações. Uma das populações mais amplamente estudadas foi a de mulheres com depressão. E os achados foram motivadores.

Podemos, de forma geral, dizer que a dança funciona com o uma terapia complementar a outros tratamentos para a depressão. Portanto, se você é mulher e foi diagnosticada com depressão provavelmente já faz uso de tratamento psiquiátrico com antidepressivos ou de tratamento psicológico, ou, o mais recomendado – também de acordo com pesquisas – você faz uso de medicamentos e psicoterapia.

A dança como terapia complementar se dá além destes dois tratamentos principais. Você pode obter benefícios a partir do envolvimento em aulas de dança regulares de diversas modalidades. A dança melhora emoções, funções cognitivas, percepção corporal, atividade, funcionalidade na vida e questões subjetivas em relação a esperança, projetos de vida, percepção de produtividade e capacidade, etc.

A depressão é um transtorno sério acompanhado por sentimentos de desesperança. Porém, estes sentimentos são ambíguos e intercalados por momentos de lucidez e esperança em relação a vida e ao futuro. Acreditar em um futuro melhor é possível, porém não é fácil.

Compreender que está com um transtorno que distorce nossa visão sobre a vida é o primeiro passo. Assim, compreendemos que é possível melhorar e nos engajarmos com os tratamentos propostos e escolhidos.

REFERÊNCIAS:

Overdorf, V., Kollia, B., Makarec, K., & Alleva Szeles, C. (2016). The relationship between physical activity and depressive symptoms in healthy older women. Gerontology and Geriatric Medicine, 2, 2333721415626859.

Gao, L., Zhang, L., Qi, H., & Petridis, L. (2016). Middle-aged Female Depression in Perimenopausal Period and Square Dance Intervention. Psychiatria Danubina, 28(4), 372.

Jeoung, B. J. (2014). Relationships of exercise with frailty, depression, and cognitive function in older women. Journal of exercise rehabilitation, 10(5), 291-294.

Autoria: Maria Cristina Lopes. Psicóloga da dança

Fonte: http://www.mariacristinalopes.com/a-dan-a-para-mulheres-com-depress-o–uma-terapia-.html

frase-descobri-que-a-danca-era-a-chave-para-manter-a-depressao-da-minha-vida-quando-voce-danca-as-patrick-swayze-162270.jpg

dança cigana raquel freiri kakli kham.JPG

A Dança Cigana é esplêndida! Ela ajuda muito em desbloquear muitos os setores de nossos campos energéticos e físicos. Ajuda no bem estar, na consciência corporal, no relaxamento e nos sentimos mais mulheres com ela.

 

As músicas escolhidas para a dança também nos reportam a feminilidade e ao lado mais doce da vida, à paixão pela vida nos levando a nos envolver com essa atmosfera, do empoderamento feminino e do nosso próprio poder: o poder do Eu.

 

Nos homens desenvolve a capacidade de conduzir suas ciganas na dança, e levando isso para a vida prática ajuda no quesito relacionamento também!

 

Ajuda a aprender tanto nos homens quanto nas mulheres, a saber, conduzir e ser conduzido, a ser desejado, e, a saber, seduzir simplesmente e magnificamente pelo olhar, pela desenvoltura dos gestos. É uma dança cheia de atrativos com toda certeza!

 

E antes que você me pergunte a respeito da religião, rsrs, Não! a Dança Cigana, não é vinculada a nenhuma crença em si, e sabe porquê não? Porque os Ciganos são povos Nômades e junto com essa cultura de ir para um lado, ir para o outro, ou seja, ser filho do vento, “não ter paradeiro” (um lugar fixo de moradia, vamos assim dizer) eles também não se apegaram a nenhuma religião, e não são sintonizados com esse aspecto.

 

A Dança Cigana ela não se caracteriza por cunho espiritual, mas por cunho realmente de uma dança puramente como o Flamenco que é uma dança tradicional da Espanha, assim como o Samba é uma Dança tradicional do Brasil. E a Dança Cigana é uma Dança Cultural desse povo Nômade, tanto que dentro da dança Cigana não existe somente um tipo de dança cigana, existe a Dança Cigana Rom, a Dança Cigana Russa, A Dança Cigana Turca, a Dança Cigana Espanhola e assim se segue, pois vamos percebendo que o povo cigano não viveu em uma única região, eles fazem parte do mundo. E Portugal existem ciganos, na Espanha existem ciganos, Na Rússia existem Ciganos, no Brasil existem Ciganos! E em cada povo que passam seu modo de viver, de dançar vai se diferenciando.

 

A Dança por si só ela já é uma atividade física que traz benefícios ao corpo e ajuda na postura corporal, na capacidade respiratória, desenvolve a musculatura, libera Serotonina e Endorfina, ajuda na  reeducação postural, queima de calorias, entre outros diversos benefícios.

 

No que diz respeito ao campo emocional, a Dança Cigana dentre as outras danças, ela tem uma especificidade muitíssimo interessante: busca sintonizar os sentimentos mais profundos e intensos, eleva a capacidade e alegria de estar vivo, o encantamento do viver, trabalha questões de autoestima, expressividade, autoconhecimento, criatividade!

 

Venha conhecer a doçura da Dança Cigana e se encantar com ela! Informe-se mais pelo contato da Casa Dara: (24) 9.8114-6368 (Texto de Raquel Freiri- Psicoterapeuta Integrativa e Terapeuta de Florais do Dr. Bach e de Saint Germain) *Se for copiar o texto favor dar os devidos direitos autorais a autora. http://www.raquelfreire.wordpress.com

Cuide- se !

Qual foi a última fez que alguém realmente lhe escutou com verdadeira atenção?

pergunta3
Quando você deu a chance de desabafar com alguém neutro, que não faz parte de sua vida íntima (pessoal ou profissional) e que realmente tenha disposição de lhe escutar, tirar um tempo somente para isso?

Quando você se permitiu cuidar de si?

Por essas e outras questões tais como: aprender a dizer “Não”- sentir-se mais confiante – relacionar-se melhor- melhorar sua comunicação – equilíbrio em várias áreas de sua vida- livrar-se de culpas, traumas, mágoas do passado- Mais foco e energia em seus projetos- Viva o seu presente- Dizer sim às oportunidades estimulantes que a vida proporciona podem ser questões a serem trabalhadas dentro do processo clínico, pois não são somente as questões mais patológicas que tem necessidade de atenção, como a Depressão, a Ansiedade, a Síndrome do Pânico (estas podem e devem ser trabalhadas em processos clínicos terapêuticos juntamente com uma equipe multidisciplinar), mas questões mais existenciais e de cunho integrativos e normais da vida cotidiana devem e podem ser desenvolvidas com mais atenção com um terapeuta preparado para isso.

Digo isso porque ao longe de minha estrada profissional venho percebendo que algumas pessoas ainda sentem-se só em compartilhar de suas vivências pessoais, que muitas das vezes não são entendidas por seus pares (pessoas que são de seu convívio), e nisso cria-se um grande mal estar existencial por não poder contar com alguém de quem possa compartilhar de certas vivências, angústias, decepções do seu dia-a-dia, de fases, de sua vida, de novos rumos a tomar, e assim por diante.

Quem passa pelo processo terapêutico não só está terapeutizando, ou seja, cuidando, tratando, mas sim desenvolvendo, evoluindo capacidades que já estão dentro daquela pessoa, mas que falta só um empurrãozinho.

Portanto, pense com carinho a respeito de suas questões, aquelas que por um tempo, não sei quanto, se foram dias, semanas, ou talvez anos que ficaram ali engavetadas a fim de serem destrinjadas, desenroladas e bem entendidas; e aquelas suas capacidades que estão dentro de você que basta um empurrãozinho, uma reflexão, um cuidado especial para com elas dentro de um processo clínico para que sejam  desenvolvidas por um profissional competente e que possa lhe dar essa ajuda.

Enfim, CUIDE-SE!

abrace se

Me procure, eu sou Raquel Freiri, Psicoterapeuta, e posso lhe ajudar! Meu contato é: (24)98114-6368 e você poderá conhecer mais do meu trabalho em: http://www.raquelfreire.wordpress.com

 

 

Não importa o que fizeram com você, não importa o que o mundo propõe que você faça, importa o que você acredita. No que você crê? No Amor? Não desista de amar!
 
Programa Casa Dara #6: Não desista de Amar
 

Boa 💜🌷🌷

PARA SER UM “BOM TERAPEUTA”
(Texto escrito há 20 anos, sinto como atual… )

Hoje acordei com uma pergunta em mente.
O que é preciso para ser um “bom terapeuta”?
Como sempre, a alma respondeu…
Para ser um “bom terapeuta” é preciso conhecer as próprias feridas, pois elas fazem parte da verdade mais profunda que nos ensina que é através da nossa própria dor que podemos sentir a dor do mundo e nos sentir parte dele também.
É preciso ser capaz de acolher as próprias lágrimas, embalar os próprios medos, aceitar os momentos de raiva e hesitação. É preciso conhecer as paredes da própria prisão, sem deixar de pressentir a luz que chega através das grades. É preciso reconhecer-se também nessa luz, e nas estrelas, e nos rios, e nas montanhas, e no canto dos pássaros, e no sorriso de uma criança.
É preciso sentir-se parte da natureza e não conseguir deixar de suspirar ao assistir à beleza de um silencioso pôr do sol.
É preciso ter senso de humor, saber criar alegria e leveza sem precisar negar a dor e a tristeza.
Um “bom terapeuta” é um equilibrista e sempre tem um pouco da alma do artista. É preciso ter amado profundamente um outro ser humano, e ter sido capaz de entregar-se totalmente a esse amor.
Tudo isso é preciso para ser um “bom terapeuta”, e muito mais.

Um “bom terapeuta”…

… acredita na simplicidade de ser apenas quem é, e faz disso sua oferenda. Seus maiores recursos são a sensibilidade e a reverência que sente ao se encontrar frente a outro ser humano, a profunda compaixão que sente por sua dor e o vislumbre do potencial infinito de sua essência.

Quando olha para um outro ser humano, um “bom terapeuta” não vê apenas o que existe, mas também as maravilhosas possibilidades de vir a ser. Vê na semente adormecida toda a beleza da flor já aberta para o mundo. O maior dom de um “bom terapeuta” é ser capaz de compartilhar essa visão.
Um “bom terapeuta” é capaz de abrir mão de anos de estudos e teorias em troca de um momento de verdade sobra o qual ninguém nada escreveu ainda.
É capaz de ouvir as pessoas com seu coração, vale sagrado que existe além do certo e do errado, encontrando a presença do divino em qualquer manifestação.
É capaz de permanecer incondicionalmente ao lado do outro para ajudá-lo a aceitar e compreender que sua vida é o fruto doce ou amargo de suas próprias escolhas. É capaz de ajudar o outro a reencontrar sua capacidade de sonhar, para que dessa forma ele possa fazer escolhas diferentes, que tornem mais doces os momentos de sua vida.

Um “bom terapeuta’ nunca desiste. Nunca desiste de seu caminho, da possibilidade de um mundo melhor com mais harmonia, mais vida e mais alegria. Nunca desiste de si mesmo. Nunca desiste de ninguém. É persistente, paciente, existente; embora nunca esqueça que cada pessoa tem o livre arbítrio para decidir seu próprio rumo. Sabe que não é responsável pelo outro ou por suas dificuldades, embora participe intensamente de cada passo dado por ele no caminho da vida.

Um “bom terapeuta” às vezes se sente frágil e cansado e nesses momentos sabe procurar ajuda. Sabe que muitas vezes ainda se sentirá impotente e fracassado e que não será capaz de fazer muitas das coisas que são esperadas de um “bom terapeuta”.

Eu reli tudo o que tinha escrito,
E me senti muito pequena,
incapaz de tarefa tão grande.

Foi então que encontrei a luz…

Para ser um Terapeuta é preciso, apenas, Ser.
Não um “bom terapeuta”.
Ser quem você é.
Talvez não tão perfeito ou tão equilibrado quanto gostaria,
talvez muitas vezes inseguro, ou confuso, ou assustado;
talvez muitas vezes triste, ou com raiva,
e ainda assim você.
E mais.
É preciso que você se sinta Divino mesmo assim,
que tenha uma crença na bondade infinita de um Deus que nos ama,
apesar de termos esquecido quem somos,
apesar de tantas vezes sermos incapazes de amar.

Ser Terapeuta não é uma profissão,
é um ato de amor,
E como qualquer ato de amor,
deve começar por aceitarmos e amarmos a nós mesmos.

Texto de Patricia Gebrim.

jesus

Primeiro Programa no ano fresquinho para vocês meus anjos com muito amor e carinho!!!
Programa Casa Dara #5 2017: o Ano 1, o ano do Sol na Numerologia e o Ano de Saturno na Astrologia. O que isso quer dizer?

Com muito amor, Raquel.
http://www.raquelfreire.wordpress.com

Nuvem de tags